domingo, 8 de dezembro de 2013

Especial | os 471 anos de Mary of Scots - a rainha da Escócia


Postado As:  domingo, dezembro 08, 2013  |  Em:  Reign


A CW está apresentando em Reign a história (alterada e adaptada obviamente) de uma das mais famosas rainhas da história mundial, Mary Stuart - mais conhecida como Mary of Scots. O interessante é que hoje fazem 471 anos de seu nascimento e então, nós do The CW Series resolvemos fazer um especial dedicado a verdadeira história dela, servindo também com uma comparação com a série (é sempre interessante repararmos no que está sendo acrescentado, tirado ou alterado levemente).

Primeiramente, vamos observar um pouco das diversas adaptações da história para as telas, dentre elas, temos:

  • Um filme biográfico de 1971 sobre Mary e sua rival Elizabeth I da Inglaterra. O filme apresenta o ficcional primeiro encontro das duas rainhas. Estrelando Vanessa Redgrave como Mary. 


  • Um filme Gunpowder, Treason & Plot - Um filme da BBC que mostra uma outra visão da história de Mary.



  • Psycobitches - da Sky Arts: Sátira que mostra grandes nomes da história sendo entrevistados.

  • Filme Mary Queen of Scots (2013) - Mais recente produção cinematográfica sobre a história da rainha da Escócia.

E agora com vocês, a história completa de Mary of Scots:

Mary, rainha da Escócia, nasceu dia 8 de Dezembro de 1542 e foi executada em 1587. Acredita-se que a execução de Mary - ordenada pela rainha Elizabeth I - foi a razão final que Philip II precisava para lançar a Armada Espanhola. Há outras figuras na Inglaterra dos Tudors que tiveram vidas consideráveis, apesar que para Mary, rainha da Escócia, estava para terminar em tragédia.


Mary era prima de Elizabeth I. Ela foi criada como católica o que a colocou contra Elizabeth, que era protestante. O pai de Mary, James V da Escócia, morreu quando ela tinha um ano. Como era muito nova, os lordes escoceses acharam meio difícil de respeitá-la e em 1548, Mary foi enviada para a França, para sua segurança.

Como uma jovem garota, Mary viveu na França onde ela teria que casar com o rei da França - Francis II. Ela tinha quinze anos e ele tinha quatorze.

Enquanto esteve na França, Mary viveu na luxúria, viajando de um lugar para o outro. Ela desenvolveu um amor por animais - especialmente cachorros - e passou muito tempo aprendendo. Ela podia falar francês, latim, espanhol e um pouco de grego. Mary também tocava flauta com certa habilidade. Seu professor religioso era um padre na Inchmahome, na Escócia, e ela desenvolveu uma visão muito forte sobre religião.

Seu sogro, Henry II, foi morto em um acidente de montaria em 1559. Sua mãe morreu na Escócia em 1560. Seu marido, Francis sempre foi doente enquanto jovem e sua morte aos 16 anos em 1560 não surpreendeu ninguém, mas deixou Mary como viúva aos 17 anos. Em seis meses, ela tinha perdido três membros próximos de sua família. Muitos dizem que ela nunca mais se recuperou desse período de sua vida.

Depois da morte de Francis, ela escreveu um poema sobre ele.


Ela voltou para a Escócia como rainha aos 18 anos em 1561.

Em 1565, ela casou com seu primo, Lord Darnley, quando estava com 22 anos. Ele não era muito popular com o povo da Escócia, já que era violento, de péssimo temperamento e bebia demais. Durante o casamento deles, o secretário de Mary era um italiano chamado David Rizzio.

Lord Darnley
Darnley colocou em sua cabeça que eles estava passando muito tempo juntos e em 1566, enquanto Mary estava entretendo alguns de seus amigos em seus quartos privados, Rizzio, que era um convidado da festa de Mary, foi atacado por uma gangue, incluindo Darnley, e o esfaquearam 50 vezes. Mary ficou horrorizada.

No entanto, em Junho 1566, Mary deu a luz à um bebê chamado James. Ele se tornou o rei da Inglaterra quando Elizabeth morreu em 1603.

O casamento de Mary com Darnley ficou cheio de stress e ela ficou cada vez mais atraída por Earl of Bothwell.

Em 9 de Fevereiro de 1567, Mary e Darnley estavam numa casa chamada Kirk O'Field. Mais tarde, ela lembrou que tinha que ver alguns amigos e foi embora. A Escócia era um país muito perigoso no século 16 e precisaria de uma pessoa muito corajosa para se aventurar a noite sem estar protegida por guardas. Naquela noite, Kirk O'Field foi explodida. O corpo de Darnley foi encontrado no jardim da casa. A explosão não tinha o matado - ele foi estrangulado. Três meses depois, Mary se casou com Bothwell. Ele era tão odiado quanto Darnley pelos lordes escoceses e eles se levantaram contra Mary. Bothwell escapou para a Europa onde morreu como um alcoólico e louco. Mary foi presa e ficou prisioneira no Castelo de Lochleven Castle.

Era para ela largar o trono por seu filho James. Mary escapou depois da prisão e foi para a Inglaterra, onde esperava que sua prima, Elizabeth, a ajudasse e cuidasse dela. A lógica de Mary estava bem equivocada. Primeiro, Mary
Mary e seu filho James
era uma rainha assim como Elizabeth. Mary esperou que uma rainha ajudasse outra rainha. Segundo, Mary achou que os laços familiares iam ser mais fortes. Ela não poderia estar mais enganada. 

Simplesmente por estar na Inglaterra, Mary representava uma ameaça para Elizabeth. Por que?

Elizabeth conseguiu trazer para a Inglaterra estabilidade religiosa. Certamente, a discordância religiosa de sua meia - irmã Mary I, tinha se enfraquecido. Elizabeth acreditava que se alguém era católico e praticava suas crenças privadamente, não apresentava ameaças à rainha, então, ela estava disposta a tolerar a religião deles. Se os católicos fossem obedientes e respeitosos à rainha, Elizabeth os tolerava. A nação ficou grandiosamente beneficiada com a estabilidade religiosa e Mary, rainha da Escócia, ameaçava essa estabilidade. Como uma católica, ela poderia virar foco para todos católicos que existiam na Inglaterra e uma líder para eles. Mary era uma ameaça letal para Elizabeth, nesse sentido.

Outra grande razão:  Alguns acreditavam que o casamento entre Henry VIII e Anne Boleyn era ilegal. Os católicos não reconheciam o divorcio de Catherine de Aragon e haviam rumores que Henry casou-se com Anne antes de seu divórcio terminar de fato. Assim, se o casamento era ilegal, Elizabeth era ilegitima e não tinha direito ao trono. Se Elizabeth não tinha direito ao trono, a próxima herdeira legal ao trono inglês era....Mary, rainha da Escócia. Mesmo que muitas pessoas achassem essa ideia absurda, pode ter sido um incentivo para os católicos da Inglaterra se rebelarem contra Elizabeth para colocar Mary no trono. Pode ter sido também a razão para os conselheiros de Elizabeth decidirem que a Inglaterra estaria melhor com Mary morta - mas eles precisariam de provas para convencer a corte das leis sobre sua culpa.

abdicação forçada de Mary
Elizabeth agora tinha problemas. Se Mary voltasse para a Escócia, de onde escapou, ela talvez teria sido morta
, e Elizabeth não aceitaria que uma rainha (e família) fosse tratada assim. Mas estando na Inglaterra, Mary poderia agir como líder para os católicos se rebelarem.
A solução de Elizabeth foi manter Mary na prisão. Pelos próximos 19 anos, Mary foi mantida em custódia em vários castelos e mansões. Em todo esse tempo, Mary nunca encontrou Elizabeth.

Mary, rainha da Escócia, não se ajudou também. Ela deixou claro para todos que quisessem ouvir, que ela sentia que deveria ser a rainha da Inglaterra. Em 1570, ela recebeu o apoio do Papa. Isso significava que não havia motivos para uma católica não matar Elizabeth, porque não seria pecado já que o Papa disse que Mary deveria ser a rainha da Inglaterra. Mary estava claramente se tornando um problema muito maior para Elizabeth e seus conselheiros.
Levou anos para o governo criar um caso contra Mary - se é que tal caso existiu mesmo! Esse trabalho foi feito por Sir Francis Walsingham. Seu canal espião manteve olhos bem próximos à Mary.

Em 1586, um homem chamado Anthony Babington armou um plano para matar Elizabeth, resgatar Mary e vê-la como a próxima rainha da Inglaterra. Babington escreveu em código para Mary, para explicar o que estava fazendo. Mary escreveu de volta, confirmando que ela concordava com tudo. Os espiões de Walsingham interceptaram ambas cartas. Babington foi preso e acusado de traição. Em Setembro de 1586, Babington foi executado. Agora o governo tinha um caso contra Mary. Ela ia ser julgada em Outubro de 1586.

Mary se defendeu bem, mas o júri a julgou culpada por traição. Para eles, que não ouviam seus argumentos, ela disse "Vocês são de fato meus inimigos". A resposta foi: "Somos inimigos dos inimigos de nossa rainha." O julgamento durou apenas 2 dias.
Mary foi condenada culpada por planejar matar Elizabeth. Ela foi condenada à morte. Em Fevereiro de 1587, Mary recebeu um aviso de 24 horas, pois ela seria executada no dia seguinte.

O quão forte eram as evidências contra Mary?

Em 1587, ela estava fraca e frágil. Ela estava em algum estado para armar contra sua prima?
Como os homens de Walsingham conseguiram achar a carta de Mary que estava escondida num barril de cerveja? Eles sabiam onde procurar? Eles escreveram?
Trancada num castelo, como Mary poderia saber o que os outros estavam fazendo, ou ter algum meio de influenciar seus movimentos?

Apesar disso, Babington admitiu sua parte na trama e que Mary sabia do plano para matar
Mary sendo escoltada para sua execução
 Elizabeth desde o começo. No entanto, é quase certo que sua confissão foi um resultado de tortura.
Elizabeth hesitou ao assinar o mandado de morte de Mary. Eventualmente ela assinou e Mary foi executada no Castelo Fortheringhay, 70 milhas ao norte de Londres, dia 8 de Fevereiro de 1587. Não foi permitido à Mary ter seu pastor presente em sua execução.
A execução de Mary foi bem curiosa. Ela vestiu-se na cor escarlate, a cor do martírio. Ela teve que ser ajudada a subir no andaime já que estava tão frágil. Ela falou suas últimas palavras em latim, colocou sua cabeça no bloco e disse: "Em suas mãos, Ó Senhor" três vezes, novamente, em latim. Levou duas machadadas para removerem sua cabeça. Quando o homem que a executou levantou sua cabeça, viu que segurava uma peruca e a cabeça ainda estava no andaime. Ninguém sabia que ela tinha perdido seu cabelo. E então, seu corpo mexeu. Por debaixo da saia, estava um cachorro pequeno, um Skye terrier. Mary levou seu cachorro para sua própria execução.

Em 1612, seu filho, o então rei da Inglaterra, James, trouxe o corpo de sua mãe para Westminster Abbey onde ela foi enterrada numa tumba magnífica.

tumba de Mary em Abbey

Fonte: http://www.historylearningsite.co.uk/





Compartilhe com seus amigos.

0 comentários:

Parcerias-Ajuda-Contato
Copyright © 2013 Traduzido Por: by BloggerTheme9
Proudly Powered by Blogger.
back to top